Número total de visualizações de página

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Falanges Missionárias

 
AGULHA ISMÊNIA

As Agulhas Ismênias têm como Primeira a Ninfa Lua Geni Duarte, sendo o Adjunto de Apoio o Adjunto Anuzio, Mestre João Duarte. O prefixo é Avena e Avena-Ra.

CANTO DA AGULHA ISMÊNIA

 SALVE DEUS! MEU MESTRE REINO CENTRAL, ESTAMOS A VOSSA MERCÊ. OH, JESUS, CAMINHAMOS NA DIREÇÃO DA ESTRELA TESTEMUNHA, QUE NOS REGE NESTE UNIVERSO. CAMINHAMOS NA FORÇA ABSOLUTA QUE VEM DE DEUS PAI TODO PODEROSO! SOU (ESCRAVA se for LUA; NINFA se for SOL) DO CAVALEIRO VERDE ESPECIAL. CONFIANTE NOS PODERES DIVINOS, EMITO O MEU PRIMEIRO PASSO PARA QUE OS PODERES DE NOSSAS HERANÇAS TRANSCENDENTAIS NOS CHEGUEM, PARA A CONTINUAÇÃO DESTA JORNADA. E COM LICENÇA DE VOSSA MERCÊ, PARTIREI SEMPRE COM -0-// EM CRISTO JESUS. SALVE DEUS!
  
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 APONARA
 A Falange Missionária Aponaras foi consagrada, junto com as demais falanges, no dia 20 de setembro de 1998, composta pelas ninfas dos Arcanos e dos Presidentes de Templos do Amanhecer, tendo como Primeira a Ninfa Lua Nair Zelaya, sem necessitar um Adjunto de Apoio, tendo em vista a situação doutrinária dos mestres de suas componentes. Seu prefixo é Veiza, para as Lua, e Veiza-Ra para as Sol. O canto emitido na consagração foi o da escrava do Cavaleiro Especial.

 CANTO DA APONARA

 
(Em 7/3/2000, este canto foi divulgado em reunião com os Trinos Presidentes Triada)

SALVE DEUS! Ó, JESUS! Ó, SIMIROMBA MEU PAI! CONFIRMO AQUI: A MAGIA É UMA CIÊNCIA QUE NINGUÉM PODE ABUSAR SEM PERDE-LA E SEM PERDER A SI MESMO. OS SOBERANOS SACERDOTES SÃO MUITO GRANDES PARA SE EXPOREM, POIS SABEMOS QUE A MAGIA EXPOSTA NÃO É A MAGIA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. MESMO SE UM SOBERANO, POR UMA INFELICIDADE, CHEGASSE A EXPÔ-LA, CAIRIA E SERIA UMA TOTAL REVOLUÇÃO, PORQUE ATINGIRIA MEIO MUNDO. TAIS SÃO AS REVELAÇÕES DA ALTA CABALA E SUAS FORÇAS CONTIDAS E EXPOSTAS NOS FENÔMENOS E MISTÉRIOS ACORRENTADOS, QUE NATURALMENTE SE DESAGREGARIAM SEM DÚVIDAS, PARA A CIÊNCIA QUE APOIADA EM SEUS FALSOS PRECONCEITOS, NÃO SE ENCONTRARIA VERDADEIRAMENTE. NO ENTANTO, UMA SÉRIE DE INDUÇÕES E JUNÇÕES RIGOROSAS DO CÉU ESQUECEM OS FATOS E VÃO EMITINDO NA MAGIA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO OS SEGREDOS MAIS PERIGOSOS E TODO O SEU MISTÉRIO É O EQUILÍBRIO! É A GRANDE LEI VITAL QUE PROJETAMOS. SE PROJETAMOS COM VIOLÊNCIA SOMOS REPELIDOS POR UMA NATUREZA MELHOR QUE A NOSSA. ESTENDE-SE MAIS LONGE! PORÉM, A FORÇA OU ENERGIA DA ALTA MAGIA NÃO SE TRATA SOMENTE DOS FLUÍDOS MAGNÉTICOS. É A LUZ ASTRAL, MOVIMENTOS ELÉTRICOS QUE SE DESANINHAM DO HIPERETÉRICO E COMO GOTAS MANIPULADAS PELA HERANÇA TRANSCENDENTAL... RAIOS, RAIOS ELÉTRICOS EXTRAÍDOS PELA ENERGIA DOS QUE MANIPULAM PELO AMOR INCONDICIONAL. Ó, SIMIROMBA MEU PAI! ESTA É A HORA DE MINHA MEDITAÇÃO E QUE ME FAZ LEMBRAR OS MEUS ENTES QUERIDOS, OS MEUS AMORES E AQUELES QUE SE DIZEM MEUS INIMIGOS. Ó, JESUS! SÓ EM TI PODEREI ME ENCONTRAR, PORQUE SÓ EM TI VIVE A LUZ ETERNA! SALVE DEUS!       (TIA NEIVA, 29/1/79)





ARIANA DA ESTRELA TESTEMUNHA

 Segundo mensagem da Primeira Ariana, Ninfa Lua Maria Augusta, assinada pelos Devas, “as Arianas invocam a Estrela Testemunha, Estrela do Espaço, testemunha do povo que se encontra neste Ciclo do Jaguar. Todas as conquistas e realizações desta Doutrina foram registradas pela Estrela Testemunha, da qual faz parte, entre outros povos, a Falange de Arianas. Nos mundos espirituais, as Arianas, como um dos membros da Estrela Testemunha, tiveram a sua participação nas principais realizações desta Doutrina, trazidas por nossa Mãe Clarividente, entre as quais a Corrente Mestra, o Mestrado, as Falanges Missionárias, os Trabalhos Iniciáticos, os Sandays e os Rituais. Hoje, no plano físico, as Arianas, através de seu canto na individualidade, invocam o poder dos faraós e do rico Vale dos Reis em busca de suas heranças e de suas origens, que partem dos grandes Oráculos (Ramsés, Akinaton e Amon-Ra), onde elas têm um grande compromisso. A chamada dos Cavaleiros da Lança Reino Central, Lança Vermelha, Lança Rósea, Lança Lilás e Cavaleiros de Oxosse, pedindo sempre a sintonia com a Divina Estrela do Céu, traduz, também, o compromisso das Arianas com os trabalhos iniciáticos. As Arianas viveram na Cruz do Caminho e um dos seus trabalhos era ir em busca dos perdidos, na época das grandes conquistas, porque tinham o poder de se comunicarem por telepatia. Naquela época já se fazia presente o poder de conquista universal, o poder cabalístico. As Arianas saiam pregando o Evangelho Vivo de Nosso Senhor Jesus Cristo, fazendo os doentes adormecerem, amenizando e curando a sua dor. Seu trabalho era com os vivos. Pelos fenômenos que faziam, principalmente na cura da mente humana, elas devolviam a fé aos Homens. Atuaram na Pérsia, na Grécia, etc., onde eram muito perseguidas e enfrentaram muitas dificuldades. A Ariana ostenta, em sua indumentária, na altura do plexo, um brasão com sete raios coloridos. O brasão representa a Mesa Evangélica e os raios a Força do Jaguar.” O Adjunto de Apoio das Arianas é o Adjunto Prator, Mestre Valter, e os prefixos são Kalã e Kalã-Ra.
 
CANTO DA ARIANA

 SALVE DEUS, MEU MESTRE, 1º CAVALEIRO DA LANÇA REINO CENTRAL, RAIO ADJURAÇÃO! EU, NINFA LUA, MISSIONÁRIA ARIANA, EM NOME DE SIMIROMBA NOSSO PAI, TRAGO O CANTO DA ARIANA DA ESTRELA TESTEMUNHA PARA MELHOR SERVIR A VOSSA MERCÊ! SALVE DEUS! Ó, JESUS, ESTE É O CANTO DA MINHA INDIVIDUALIDADE! QUERO EMITIR, NESTE MANTRA, TODO O AMOR! QUE OS ANJOS E SANTOS EMITAM SUAS PÉROLAS EM BENEFÍCIO DESTE TRABALHO. JESUS! QUE O PODER DOS FARAÓS, DOS RAMSÉS, DE AKNATON, DE AMON-RÁ E DO RICO VALE DOS REIS VENHA, NA FORÇA ABSOLUTA DE DEUS PAI TODO PODEROSO, PARA ASSISTÊNCIA DESTE TRABALHO, QUE MEU PAI SIMIROMBA ME CONFIOU. CAVALEIRO DA LANÇA REINO CENTRAL! CAVALEIRO DA LANÇA VERMELHA! CAVALEIRO DA LANÇA RÓSEA! CAVALEIRO DA LANÇA LILÁS! CAVALEIROS DE OXOSSE! VAMOS ENTRAR EM SINTONIA COM A DIVINA ESTRELA DO CÉU, EM DEUS PAI TODO PODEROSO. SALVE DEUS!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 CAYÇARA

Havia, na mata selvagem, um numeroso povo, comandado pela Princesa Cayçara, que vivia perseguido por outras tribos que queriam exterminá-lo. Um dia, Cayçara teve uma visão: uma grande quantidade de guerreiros iriam atacá-los e seriam destruídos. Mandou seu povo para esconderijos na mata e se deixou ficar, sendo aprisionada pelos inimigos. A certeza de que, destruindo-a, não mais se reuniria seu povo, fez com que os guerreiros não procurassem pelos outros, contentando-se em torturar Cayçara até que a mataram, em uma roda de fogo. A tribo de Cayçara, sem sua liderança, se separou e se perdeu. Hoje, nos planos espirituais, a Princesa Cayçara os está reunindo, harmonizando-os no sacerdócio da Doutrina do Amanhecer, constituindo-se numa falange de caçadoras que trabalham junto aos Cavaleiros da Falange de Ypuena. Vão ao Vale das Sombras, penetram em cavernas e, com suas redes magnéticas, resgatam espíritos, com a ajuda de outras missionárias. Como descreveu Koatay 108, as Muruaicys vão à frente, abrindo os portões magnéticos do Vale das Sombras e das cavernas, onde se encontram espíritos que, por sua força e ferocidade, se apresentam deformados pelo ódio, por sua vibração negativa, assumindo tristes formas animalizadas e até mesmo monstruosas. As Muruaicys jogam seus charmes, emitindo lindos mantras que vão iluminando aqueles espíritos e estes, como que hipnotizados, vão deixando os negros abismos e se aproximando dos portões. Junto aos portões, as Madalenas fazem uma espécie de poços de lama etérica, escura e pegajosa, nos quais mergulham, ficando irreconhecíveis, com aspecto semelhante ao daqueles espíritos sem luz. Quando os espíritos sofredores as vêem, tentam agarrá-las, supondo serem da mesma concentração que eles. É o momento em que as Cayçaras lançam suas redes magnéticas, aprisionando-os e, com a proteção dos Cavaleiros de Ypuena, os levam para serem atendidos, sob a força do Cavaleiro da Lança Vermelha, na Estrela Candente, onde recebem o choque da força magnética animal emitida pelos médiuns escaladores e a doutrina - o ectoplasma dos Doutrinadores -, sendo elevados aos planos de acordo com seus merecimentos. A Primeira Cayçara é a Ninfa Lua Zulmira, tendo como Adjunto de Apoio o Comandante Adjunto  Oramós, Mestre Wagner, e os prefixos são Capuza e Capuza-Ra.

 CANTO DA CAYÇARA
 Ó, JESUS, DIVINO E AMADO MESTRE! QUEM TE FALA SOU EU, MISSIONÁRIA CAYÇARA, QUE RECEBEU, DE DEUS PAI TODO PODEROSO, A HERANÇA TRANSCENDENTAL, JUNTO A POVOS QUE SE DESTINAM NA ESPERANÇA DE UMA NOVA ERA. SOU UMA GUIA MISSIONÁRIA, VINDA DO MUNDO VERDE, EM MISSÃO ESPECIAL. SOU ESPARTANA, SOU JAGUAR! Ó, JESUS, SOMOS VIDAS COM DESTINOS IGUAIS! TRAGO A FORÇA DE SIMIROMBA, MEU PAI! Ó, JESUS, ESTOU A SERVIÇO DO REINO CENTRAL! NESTE ESCUDO, JESUS, TRAGO O SIMBOLISMO DA VIDA E DO AMOR, NA ESTRELA QUE CONDUZO, QUE REPRESENTA O DEUS DO SOL E O DEUS DA LUA, QUE JUNTOS FORMAM AS LEIS QUE NOS REGEM NESTE AMANHECER. Ó, JESUS, EMITA A FORÇA PARA QUE EU POSSA ACOMPANHAR OS PODERES DO CAVALEIRO DA LANÇA VERMELHA! E EM TEU SANTO NOME E DE DEUS PAI TODO PODEROSO, PARTIREI SEMPRE COM -0- EM TI, JESUS QUERIDO. SALVE DEUS!

 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 CIGANA AGANARA
 As Ciganas Aganaras são remanescentes da tribo Katshimoshy, originária da velha Rússia, nômades que faziam previsões, liam a sorte nas cartas, quiromantes, bruxas e curandeiras, conhecendo o segredo da cura pelas plantas e raízes que a tornaram famosas. Os homens eram artesãos que trabalhavam ouro, prata e cobre, e músicos que dominavam o violão, o violino, o banjo e o pandeiro. Comerciantes e trapaceiros, divertiam-se com belas e animadas danças em volta das fogueiras. Trazendo a missão de acompanhar os trabalhos de Julgamento e Aramê, por serem presença constante nas grandes guerras e testemunhas de muitos sofrimentos e disputas, uma vez que estavam sempre junto aos feudos e reinados do passado, as Ciganas Aganaras revivem sua jornada da Rússia à Andaluzia, protegidas pela força do talismã dos Katshimoshy. A Primeira Cigana Aganara é a Ninfa Lua Nercy Abud,  tendo como Adjunto de Apoio o Adjunto Palário, Mestre Abud, e os prefixos Adarã e Adarã-Ra.
 CANTO DA CIGANA AGANARA
 SALVE DEUS! MEUS REAIS CONTEMPORÂNEOS, SABEMOS QUE A LEI FÍSICA QUE NOS CHAMA À RAZÃO É A MESMA QUE NOS CONDUZ A DEUS. QUIS A VONTADE DE DEUS NOS COLOCAR DIANTE DESTE TRIBUNAL, QUE O ABNEGADO ESPÍRITO DE ARAGANA, EM SUA SIMPLICIDADE, ALCANÇOU A MAIS GRANDIOSA GRAÇA, EM DEUS PAI TODO PODEROSO. HOJE, TEMOS ESTA RICA OPORTUNIDADE DE REENCONTRAR A DOR ACRISOLADA NO ÓDIO DESSES QUE SE DIZEM NOSSOS INIMIGOS, DESSES QUE NÃO SOUBERAM SAIR E CONTINUAM SENDO NOSSAS VÍTIMAS DO PASSADO. ANDAMOS, SOFREMOS, SOFREMOS POR NÃO SABERMOS AMAR, E HOJE VOLTAMOS E COMPREENDEMOS QUE SOMENTE O AMOR NOS TRAZ LIBERTAÇÃO! AGORA, TEMOS A HERANÇA DO CAVALEIRO VERDE, COM SUAS REDES MAGNÉTICAS, E O AMOR DE NOSSAS GUIAS MISSIONÁRIAS. TEMOS A CERTEZA DA LIBERTAÇÃO DESSES QUE ACRISOLAMOS E QUE HÁ MILÊNIOS VIVEM NO ÓDIO, NA VINGANÇA E NA DESTRUIÇÃO! TEMOS CERTEZA QUE HOJE ELES VOLTARÃO PARA DEUS! SALVE DEUS!
 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 CIGANA TAGANA
 As Ciganas Taganas são lideradas pela Primeira Cigana Tagana, Ninfa Lua Marlete, tendo como Adjunto de Apoio  o Comandante Adjunto Rolzo, Mestre Edmundo, e sendo seus prefixos Darã e Darã-Ra.
 CANTO DA CIGANA TAGANA

 Ó, JESUS, NESTA BENDITA HORA, EU QUERO FALAR COM DEUS! QUERO SENTIR TODO O MEU AMOR! EU SOU UMA PEQUENA NINFA, SOU UMA TAGANA, QUE DESEJO SERVIR, POR TODO O UNIVERSO, NA LUZ INICIÁTICA DO SANTO EVANGELHO! VENHO DO MUNDO VERDE EM MISSÃO ESPECIAL DE UMA NOVA ERA, NA ESPERANÇA DE UM MUNDO MELHOR. E NA GRANDEZA DE DEUS PAI TODO PODEROSO, AQUI ESTAREI SEMPRE COM -0-// EM TI, JESUS QUERIDO! SALVE DEUS!
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 
 DHARMAN OXINTO
A história das missionárias Dharman Oxinto começa no Antigo Egito dos Ramsés, passa pelo verde Peloponeso, pelas planícies macedônicas, pelo Império Romano, pelos desertos da Palestina, pelas nobrezas húngaras, por convento da Aquitânia, pela ensolarada Andaluzia, pelas sinhás e sinhazinhas do Brasil Colônia, quando conviveram com os queridos Pretos Velhos que traziam nossas raízes indianas e africanas, sempre foram marcadas pela coragem e pela energia de suas ações. Nem sempre positivas, mas enérgicas. No antigo Egito, à época de Ramsés II, o Grande Deus era Amon-Rá, o Deus Sol, mas o povo rendia seu culto a Hórus, o Deus-Falcão, representando a força da Terra, filho de Isis, a Lua, e Osiris, o Sol. Horibe, a suma-sacerdotisa de Horus em Karnak, era a Princesa Aline reencarnada. Naquela época, o povo não entrava nos templos. Somente sacerdotes e sacerdotisas e os faraós tinham acesso aos recintos sagrados. O povo aguardava, do lado de fora, a manifestação dos deuses. E havia um grupo de sacerdotisas de Horus, lideradas por Horibe, que, com ajuda de Nefertari, a esposa do faraó Ramsés II, realizava grandes fenômenos entre aquela gente, portando energias maravilhosas, fazendo curas físicas e desobsessivas. Participando de grandes rituais, os poderes de Horibe eram tão grandiosos que ela passou a ser representada pela figura humana com cabeça de falcão - a cabeça de Hórus, como se pode ver nas gravuras da época, onde se representa, também, a grande a afinidade entre Horibe e Nefertari. São muitas as representações de Nefertari dando a mão a Horibe, carregando a Cruz Ançanta, chave da Sabedoria, da Vida e da Morte. Essa união se fazia sempre presente. Na maior festa ritualística da época, quando Ramsés II retirava o símbolo de Amom-Ra de seu Oráculo, em Karnak, e o levava, velado, em procissão de barcos pelo Nilo, acompanhada pelo povo nas margens, até Luxor, onde ficava um mês. Ao final desse período, o cortejo se fazia na volta de Amom-Rá para seu Oráculo em Karnak, onde o barco era recepcionado, no palácio, por Nefertari, Horibe e as sacerdotisas de Horus. Pela grande energia de que era portador, esse grupo de sacerdotisas, liderado por Horibe, desempenhou importante papel no decorrer dos tempos, encarregando-se dos primeiros passos iniciáticos, conduzindo os mestres a serem consagrados pela Iniciação de Osiris. Quando a Rainha Exilada saiu da Grécia, tendo sido poupada sua vida por interferência de Pytia (uma das encarnações de Tia Neiva), como se revive hoje no Turigano, ela foi para um palácio na região do Delta do Nilo. Ali, se dedicou à cura de todos os necessitados que a procuravam, dando-lhes abrigo, e marcando, na trilha, a entrada para o palácio, com uma cruz. Era a Cruz do Caminho! E, para ajudá-la, veio do Egito o grupo de sacerdotisas de Horus. Horibe já estava no Plano Espiritual, comandando suas Missionárias do Espaço, e emanando e protegendo o grupo que foi para a Cruz do Caminho. Em Delfos, Pytia organizou as primeiras falanges missionárias - Yuricys, Muruaicys e Jaçanãs -, e providenciou para que, na Cruz do Caminho, começassem as Iniciações Dharman Oxinto, que significa A CAMINHO DE DEUS, entregues às sacerdotisas de Horus, que receberam o nome de Missionárias Dharman Oxinto. Por isso, na Cruz do Caminho, onde são manipuladas as energias dos Ramsés e do Povo das Águas, as Dharman Oxinto têm lugar de honra e guarda a Mãe Yemanjá. E, através dos tempos, esse grupo de missionárias Dharman Oxinto permaneceu unido em várias encarnações, vindo sempre com muitas energias, dedicando-se aos trabalhos da Lei do Auxílio. Rainhas e princesas na Europa Central, ciganas maravilhosas da Andaluzia, escreveram histórias de coragem e de amor por onde passaram. Houve uma encarnação que viveram como freiras, na Idade Média, numa região próxima a Paris, chamada Aquitânia. Atendiam, em seu convento, às vítimas daqueles senhores feudais que viviam no luxo e na ambição, explorando os humildes. Aqueles reis poderosos, revoltados com o socorro que elas prestavam a suas vítimas, decidiram exterminá-las. Alertadas pelos Mentores, as freiras fugiram, e se refugiaram nas ruínas de um castelo, perdido no meio de grande floresta. Ali continuaram sua obra de assistência física e espiritual, sobrevivendo com mantimentos e roupas que aqueles pobres e humildes aldeões surrupiavam dos nobres em seus castelos, onde serviam. Eram chamadas as FADAS DA FLORESTA! Na Andaluzia, no sul da Espanha, formaram, em outra encarnação, um grupo de ciganas com muitos poderes, encantando nobres e reis com sua magia e sua beleza. Nessa época, a Princesa Aline liderava as Dharman Oxinto nos planos espirituais, mas tinham no espírito reencarnado de Nefertari sua líder. Por suas origens, têm missão de grande responsabilidade nos diversos trabalhos e rituais na atual transição para a Nova Era, no Vale do Amanhecer. São de sua responsabilidade os primeiros passos do mestre que começa sua jornada: a Autorização e a Iniciação. Sempre está representada na Elevação de Espadas. Faz honra e guarda a Mãe Yemanjá na Cruz do Caminho. Serve o vinho no Oráculo e na Estrela Sublimação. São comandantes dos Abatás especiais da Bênção de Pai Seta Branca. Mas isso não quer dizer que são as melhores, não! Isso significa, apenas, que devem dar o melhor de si, com muito amor, com muita segurança, para cumprir os compromissos que assumiram com a Espiritualidade, especialmente com a Princesa Aline, nos diversos trabalhos de alta precisão, tais como a Autorização, a Iniciação, o Oráculo, a Estrela Sublimação, o Leito Magnético e a Cruz do Caminho. Conforme nos disse Koatay 108, a missionária Dharman Oxinto poderá substituir a missionária de qualquer outra falange quando necessário para a realização de um ritual. Mas nenhuma outra missionária substitui a Dharman Oxinto, exceto no serviço de vinho do Oráculo, que poderá ser feito por uma Franciscana. Esse o valor de nossa responsabilidade! A gola representa o leque de energias emitido pelo plexo, é toda de brilhante luz nas Dharman Oxinto do Espaço. Deve ser tratada com muito carinho, para se manter bonita e apresentável. Aliás, toda a indumentária deve ser bem cuidada. São uma réplica do que é usado nos Planos Espirituais, só que dentro das limitações de nossos materiais. Com o espírito de Horibe - Princesa Aline - no comando das Dharman Oxinto no Plano Espiritual, o comando da Falange, na Terra, ficou sob a responsabilidade do espírito de Nefertari, que, como foi explicado, não pertencia àquele grupo de sacerdotisas, razão pela qual a Primeira da Falange Missionária Dharman Oxinto tem indumentária e canto diferentes dos de suas componentes. No Leito Magnético e no Turigano, as Dharman Oxinto Sol e Lua não fazem o canto normal da falange, mas sim um especial. A Primeira Dharman Oxinto é a Ninfa Lua Dinah da Silva, e o Adjunto de Apoio é o Trino Regente Triada Tumarã, Mestre José Carlos. Os prefixos são Clitya, para as Lua, e Clítia-Ra, para as Sol.
CANTO DAS DHARMAN OXINTO SOL E LUA
SALVE DEUS! Ó, JESUS, VENHO MAIS UMA VEZ, NESTA BENDITA HORA, OFERTAR O MEU CANTO E ELEVAR MINHAS VIBRAÇÕES NA MISSÃO EM QUE PERANTE SIMIROMBA, MEU PAI, ME COLOQUEI! SOU UMA MISSIONÁRIA DHARMAN OXINTO, E AQUI ESTOU PARA EMITIR, COM TODO O MEU AMOR, A VIDA INICIÁTICA DESTE AMANHECER...
Ó, JESUS! EM TUA INFINITA MISERICÓRDIA, PERMITA QUE AS FORÇAS SE ENCONTREM E SE ENTRELACEM COM A LUZ DA RAZÃO QUE EXISTE EM CADA VIDA, FAZENDO CRESCER, EM NOSSAS CONSCIÊNCIAS, A RESPONSABILIDADE DA GRANDIOSA PARTIDA DESTA PARA UMA NOVA ERA... QUIZERA, Ó, JESUS, QUE ESTAS FORÇAS BENDITAS PUDESSEM RESPLANDECER EM MIM, PARA QUE EU, EMITINDO TODO O MEU AMOR, POSSA, ONDE ESTIVER EM MINHA JORNADA NESTA ERA, SER O REFLEXO DO BEM E DA LUZ!...
SALVE DEUS!
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
FRANCISCANAS
As Franciscanas são lideradas pela Ninfa Lua Nilza, tendo como Adjunto de Apoio o Comandante Adjunto Otalevo, Mestre João do Vale, sendo seus prefixos Acale e Acale-Ra.
 CANTO DAS FRANCISCANAS
ESUS! NESTA BENDITA HORA, VENHO UNIR-ME ÀS MINHAS IRMÃS E EMITIR O MEU CANTO, O CANTO DA MISSIONÁRIA VINDA DO MUNDO VERDE. EU SOU, JESUS, A FRANCISCANA DE ASSIS, O SIMIROMBA DE DEUS PAI TODO PODEROSO, QUE ME ENSINOU A VERDADEIRA CURA DESOBSESSIVA DOS CEGOS, DOS MUDOS E DOS INCOMPREENDIDOS. SEMPRE, JESUS, EM TEU SANTO NOME, VIVEREI, SEMPRE A BEM DOS QUE NECESSITAREM DE MIM. EM NOME DO PAI, DO FILHO E DO ESPÍRITO. SALVE DEUS!
 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
GREGAS
 Conduzida pela Guia Missionária Abariana Verde - a Grande Kaly - a falange de Gregas foi organizada para jovens de 12 aos 18 anos, mas, hoje, recebe componentes de qualquer idade. À época de Pitya, em Delfos, as Gregas eram meninas e adolescentes que a pitonisa incumbiu de recolher as armas dos guerreiros mortos ou feridos, para serem consagradas no Templo de Apolo. Ficavam de honra e guarda nos grandes rituais, sempre portando suas lanças. A missionária Grega conduz sua lança em posição vertical, na mão esquerda, com a finalidade de desintegrar correntes negativas. Não deve soltar a lança e nem colocá-la junto a si, apoiando-a no ombro. A Grega Sol, ao fazer uma elevação, levanta sua mão esquerda um pouco, de modo que a lança se erga a cerca de um palmo do chão, e ergue sua mão direita. Assim, também, todas fazem quando emitem a Prece de Simiromba. A Grega só se separa de sua lança nos trabalhos de Randy, Cura, Indução e Junção, quando usa lanças próprias de cada setor; para a Bênção de Pai Seta Branca, quando a Grega Lua vai receber o Pai, dispensa a lança. Também, ao entrar na cassandra, a Grega deixa sua lança bem apoiada, em posição vertical, do lado de fora. A Princesa Kaly tem um albergue nos planos espirituais, de onde sai com muitas companheiras - o Povo das Kalys, espíritos de elevada estatura -, armadas com suas lanças etéricas, penetrando nas densas matas e terríveis pântanos, onde acodem espíritos perdidos e os livram dos bandidos do espaço, com a ajuda dos Cavaleiros de Oxosse. Muito altas, intimidam os espíritos de luz, aprisionando-os numa barreira formada pelas lanças etéricas. Quando se manifestam no plano físico, as Kalys trazem as forças dos mares, da brisa marinha e dos ventos. A Primeira Grega é a Ninfa Lua Abadia, tendo como Adjunto de Apoio o Comandante Adjunto Ravance, Mestre Antônio Pereira (Tichico), sendo seus prefixos Kaly e Kaly-Ra.Visando dirimir dúvidas e adequar o ingresso e a participação das ninfas nas falanges, bem como as suas atribuições, os Trinos Presidentes Triada, em reunião realizada com os Mestres Devas (Alufã, Adejã e Umaray), no dia 3.10.98, decidiram que a partir desta data deveriam ser observados os seguintes procedimentos (Orientações às Falanges Missionárias N.º 1):1. Fica limitada a 12 anos a idade mínima e a 18 anos a idade máxima para os jovens ingressarem nas falanges de Nityamas/Nityamas Madruchas, Gregas, Mayas, Magos e Príncipes Mayas. Os referidos mestres e ninfas poderão pertencer às respectivas falanges por tempo indeterminado, ou seja, não haverá idade limite para deixarem as suas falanges. A partir dos 16 anos de idade, o jovem que não desejar participar de uma das falanges citadas poderá escolher outra falange missionária de sua afinidade; (...) 3. A emissão reduzida (provisória) deverá ser utilizada pelas Nityamas. Gregas, Mayas, Magos e Príncipes, não centuriões, exclusivamente para acender a Chama da Vida no Turigano, quando da Entrega das Energias. Frisamos que não poderá ser utilizada nos trabalhos de Abatá, Alabá, Quadrantes, Anodização, Sandays etc.; 4. Nos Trabalhos de Julgamento e Aramê a corte de Nityamas, Gregas, Mayas, Magos e Príncipes deverá ser liberada logo após conduzirem a representante da Condessa Natarry ao seu posto. Não deverão permanecer no Turigano até a incorporação de Pai João de Enoque ou o término do Aramê. Após apagarem a Chama da Vida, o Mago e a Nityama escalados deverão ser liberados; (...) 8. A ninfa somente deverá participar de uma falange missionária quando receber a sua Consagração de Centúria, com exceção do ingresso nas falanges de Nityamas, Gregas, Mayas, Magos e Príncipes. Contudo, se desejar, está liberada a fazer a sua consagração com a indumentária da falange; (...) 10. Na Consagração de Falange Missionária, no Dia do Doutrinador (1º de Maio), nas cortes da Consagração dos Adjuntos, somente poderão participar as missionárias(os) com as suas respectivas indumentárias. Não deverão participar de uniforme de Jaguar, branco ou qualquer outra indumentária; (...) 15. A partir desta data, a emissão de todas as missionárias(os) deverá ser entregue pelo Castelo dos Devas, com a apresentação, por escrito, da Primeira ou Primeiro da falange, conforme modelo padronizado pelos Devas, exceto as emissões das ninfas e mestres das falanges de Nityama, Grega, Maya, Mago e Príncipe, não Centuriões, as quais devem ser entregues pela Primeira ou Primeiro após uma avaliação para acender a Chama da Vida.
CANTO DAS GREGAS

Ó, DEUS APOLO, UNIFICADO EM CRISTO JESUS! AQUI ME TENS, FIRME AO CAVALEIRO VERMELHO, QUE AINDA REPOUSA SOB AS NUVENS LUMINOSAS DE ATENAS, PORÉM JÁ UNIFICADO EM DEUS PAI TODO PODEROSO. TRAGO A FORÇA DA GUIA MISSIONÁRIA ABARIANA VERDE, A GRANDE KALI, QUE VIU OS PODERES DE POLICENA SOBRA AS ONDAS GRANDES DOS MARES. TUDO, TUDO NOS PERTENCE NA GUARDA DESTE TRABALHO! SIMIROMBA DE DEUS, O NOSSO PAI, VEM TRAZER A BOA SORTE AOS NOSSOS IRMÃOS. PARTO COM - O - EM CRISTO JESUS. SALVE DEUS!
 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------
JAÇANÃ

Quando em Delfos, Pitya escolhia jovens, cujos maridos estavam nas guerras, para auxiliá-la em sua missão. Eram as Yuricys - Flores do Campo -, que socorriam os combatentes nas planícies macedônica e peloponense. Todavia, como não incorporavam nem profetizavam, Pitya recomendou que fossem preparadas as Muruaicys e Jaçanãs, moças fugidas do assalto de tropas mercenárias, que teriam a missão de fazer as profecias no Templo de Apolo. Assim surgiram as Missionárias Jaçanãs, que na Linha Dharman Oxinto, trabalham nas Iniciações, preparando os Mestres que vão para os salões iniciáticos, e na Cruz do Caminho, colocando as morsas nos Mestres e Ninfas Sol. A Primeira Jaçanã, Ninfa Lua Dulce, considera como missão maior estar no Turigano todos os domingos, a serviço do Oráculo de Yemanjá, dizendo que “a própria existência da falange está ligada à grandeza e ao objetivo deste trabalho”. A Primeira Jaçanã é a Ninfa Lua Dulce, tendo como Adjunto de Apoio o Adjunto Trino Tapuy, Mestre Ferreira, sendo os prefixos Cebele e Cebele-Ra.

CANTO DAS JAÇANÃS
Ó, JESUS, É A MINHA HORA! JESUS! O CANTO DA JAÇANÃ, QUE MIL VEZES TE PEÇO A PERSEVERANÇA DO HOMEM DA MINHA TRIBO, QUE ME DESTE NA FORÇA ABSOLUTA QUE VEM DE DEUS PAI TODO PODEROSO, O PODER DO FOGO E DA ÁGUA! ESPERAM, JESUS QUERIDO, DE MIM ESTA SIMPLICIDADE. Ó, SIMIROMBA MEU PAI! QUE FORÇAS RESPLAN-DESCENTES NOS DOMINEM E NOS CONDUZAM AOS GRANDES FENÔMENOS QUE NO MUNDO NOS ESPERAM. Ó, FORÇA ABENÇOADA DE DEUS! QUE EM NOME DO PAI, DO FILHO E DO ESPÍRITO. SALVE DEUS!
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
MADALENA DE CÁSSIA
A Primeira Madalena é a Ninfa Lua Maria Dutra Barreto, tendo esta falange como função específica a participação no Turigano e nos casamentos, trabalhando sob a projeção das Missionárias do Espaço que formam a Falange da Guia Missionária Madalena de Cássia, a Missionária mais próxima de Jesus, para ajuda nas filas magnéticas àqueles que necessitam das energias curadoras e desobsessivas. Essa Falange surgiu na Europa, na Idade Média, como freiras que, nos conventos, auxiliavam aquelas fidalgas que buscavam proteção contra a prepotência de seus preceptores, fugindo de casamentos não desejados ou de alianças desastrosas. Como descreveu Koatay 108, as falanges missionárias agem, harmoniosamente, em conjunto: as Muruaicys vão à frente, abrindo os portões magnéticos do Vale das Sombras e das cavernas, onde se encontram espíritos que, por sua força e ferocidade, se apresentam deformados pelo ódio, por sua vibração negativa, assumindo tristes formas animalizadas e até mesmo monstruosas. As Muruaicys jogam seus charmes, emitindo lindos mantras que vão iluminando aqueles espíritos e estes, como que hipnotizados, vão deixando os negros abismos e se aproximando dos portões. Junto aos portões, as Madalenas fazem uma espécie de poços de lama etérica, escura e pegajosa, nos quais mergulham, ficando irreconhecíveis, com aspecto semelhante ao daqueles espíritos sem luz. Quando os espíritos sofredores as vêem, tentam agarrá-las, supondo serem da mesma concentração que eles. É o momento em que as Cayçaras lançam suas redes magnéticas, aprisionando-os e, com a proteção dos Cavaleiros de Ypuena, os levam para serem atendidos, sob a força do Cavaleiro da Lança Vermelha, na Estrela Candente, onde recebem o choque da força magnética animal emitida pelos médiuns escaladores e a doutrina - o ectoplasma dos Doutrinadores -, sendo elevados aos planos de acordo com seus merecimentos. O Adjunto de Apoio das Madalenas é o Adjunto Arqueiro, Mestre Vladimir, e seus prefixos são Eiza e Eiza-Ra.
CANTO DA MADALENA

SALVE DEUS! EU SOU O CAMINHO DA VERDADE E DA VIDA. NINGUÉM IRÁ AO PAI SENÃO POR MIM! TU NOS DISSESTES, JESUS QUERIDO, E AQUI ESTAMOS, EM ESPÍRITO E VERDADE, EM BUSCA DESTE CAMINHO, QUE SERÁ A NOSSA SALVAÇÃO! DESTE-NOS, EM TEUS PROFETAS, ESTA JORNADA FELIZ PARA A CURA E A VIDA DESTA TRIBO PARA QUE O NOSSO AMOR RESPLANDEÇA NO CAMINHO. EM NOME DO PAI E DO ESPÍRITO. SALVE DEUS!
 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
MADRUXAS
Quando a 1ª Nityama Ana Maria se casou, Koatay 108 não queria que outra ninfa assumisse o comando da falange e, assim, designou-a como Madrucha, que na linguagem das Nityamas, significa “madrinha”. Com o passar do tempo, as Nityamas começaram a casar e formaram as Madruxas, uma falange que, na realidade, não existe nos planos espirituais. Com o beneplácito dos Devas, está formada esta falange, inclusive recebendo ninfas que nem passaram por Nityamas, e que fazem o canto da Madruxa Ana Maria. Visando dirimir dúvidas e adequar o ingresso e a participação das ninfas nas falanges, bem como as suas atribuições, os Trinos Presidentes Triada, em reunião realizada com os Mestres Devas (Alufã, Adejã e Umaray), no dia 3.10.98, decidiram que a partir desta data deveriam ser observados os seguintes procedimentos (Orientações às Falanges Missionárias N.º 1): 1. Fica limitada a 12 anos a idade mínima e a 18 anos a idade máxima para os jovens ingressarem nas falanges de Nityamas/Nityamas Madruchas, Gregas, Mayas, Magos e Príncipes Mayas. Os referidos mestres e ninfas poderão pertencer às respectivas falanges por tempo indeterminado, ou seja, não haverá idade limite para deixarem as suas falanges. A partir dos 16 anos de idade, o jovem que não desejar participar de uma das falanges citadas poderá escolher outra falange missionária de sua afinidade; 2. A ninfa que desejar ser uma Nityama Madrucha deverá ser casada ou ter condição equiparada. Não haverá limite máximo de idade para o ingresso das Nityamas Madruchas, desde que sejam vindas das Nityamas; 3. A emissão reduzida (provisória) deverá ser utilizada pelas Nityamas. Gregas, Mayas, Magos e Príncipes, não centuriões, exclusivamente para acender a Chama da Vida no Turigano, quando da Entrega das Energias. Frisamos que não poderá ser utilizada nos trabalhos de Abatá, Alabá, Quadrantes, Anodização, Sandays etc.; 4. Nos Trabalhos de Julgamento e Aramê a corte de Nityamas, Gregas, Mayas, Magos e Príncipes deverá ser liberada logo após conduzirem a representante da Condessa Natarry ao seu posto. Não deverão permanecer no Turigano até a incorporação de Pai João de Enoque ou o término do Aramê. Após apagarem a Chama da Vida, o Mago e a Nityama escalados deverão ser liberados; (...) 8. A ninfa somente deverá participar de uma falange missionária quando receber a sua Consagração de Centúria, com exceção do ingresso nas falanges de Nityamas, Gregas, Mayas, Magos e Príncipes. Contudo, se desejar, está liberada a fazer a sua consagração com a indumentária da falange; (...) 10. Na Consagração de Falange Missionária, no Dia do Doutrinador (1º de Maio), nas cortes da Consagração dos Adjuntos, somente poderão participar as missionárias(os) com as suas respectivas indumentárias. Não deverão participar de uniforme de Jaguar, branco ou qualquer outra indumentária; (...) 15. A partir desta data, a emissão de todas as missionárias(os) deverá ser entregue pelo Castelo dos Devas, com a apresentação, por escrito, da Primeira ou Primeiro da falange, conforme modelo padronizado pelos Devas, exceto as emissões das ninfas e mestres das falanges de Nityama, Grega, Maya, Mago e Príncipe, não Centuriões, as quais devem ser entregues pela Primeira ou Primeiro após uma avaliação para acender a Chama da Vida.
CANTO DAS MADRUXAS
Ó, DEUS APOLO, UNIFICADO EM CRISTO JESUS! REVISTAI AQUI O TEU POVO, QUE NA FORÇA ABSOLUTA DE SIMIROMBA, NOSSO PAI, PREPARA O ESPÍRITO ESPARTANO NA FIGURA DO MESTRE JAGUAR, PARA QUE SIGAM OS SEUS CAMINHOS MATERIAIS NA FORÇA DESTE TURIGANO. QUE SIGAM TODOS, TODOS PROTEGIDOS DE QUALQUER CORRENTE NEGATIVA, E QUE SOMENTE O AMOR ENCONTRE ACESSO EM TODO NOSSO SER! E, PARA QUE NOVAS FORÇAS VENHAM VIBRAR, PEÇO A PRESENÇA DA GUIA MISSIONÁRIA, NA FORÇA ABSOLUTA DA 1ª GUIA MISSIONÁRIA ARAGANA VERDE ISIS! ASSIM, CONFIANTE, JESUS QUERIDO, SIGO COM -0-//, EM CRISTO JESUS.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
MAGOS
Na Planície Peloponense havia um povoado onde uma pitonisa, chamada Magdala, Madrinha dos Devas, formou um grupo de Nityamas, poderosas moças que manipulavam muitas energias, fazendo trabalhos que protegiam aos numerosos homens que partiam para as guerras. Dominavam forças que atuavam nas condições meteorológicas, faziam profecias e liam a sorte nas mãos. Os homens que ficavam na aldeia, inválidos ou muito jovens para participar de combates, começaram a ajudar as Nityamas, e receberam sua consagração como Magos, Filhos de Devas, após desenvolverem sua mediunidade e adquirir poderes espirituais. Em sua origem persa, magu significa “poderoso”. Viajavam, atravessando terras e mares, levando à humanidade seus conhecimentos doutrinários e a Voz do Céu. No Oriente, os Magos obtiveram grande importância política e religiosa, chegando a ter autoridade de reis, mas não eram reis. Medas e Persas, Assírios e Caldeus foram profundamente influenciados pelos Magos, que tinham os profundos conhecimentos da Astronomia e da Astrologia, participando, também, pela influência do Judaísmo, da expectativa da chegada do Messias. Alertados pela Estrela Sublimação, três Magos foram a Jerusalém para adorar o Filho de Deus, que nascera em Belém, sempre guiados pela Estrela. Seus nomes eram Melchior (em hebreu: “Rei da Luz”), Baltazar (aramaico: “Deus proteja a vida do Rei”) e Gaspar (persa: “O Vencedor”). Na Bíblia, Mateus relata, em seu Evangelho (II, 3 a 12): “Tendo, pois, nascido Jesus em Belém de Judá, em tempo do rei Herodes, eis que uns Magos do Oriente vieram a Jerusalém, dizendo: Onde está o Rei dos Judeus, que nasceu? Porque vimos a sua Estrela no Oriente e viemos adorá-lo. Ouvindo isto, o rei Herodes perturbou-se e toda Jerusalém com ele. E convocando todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo inquiria deles onde Cristo haveria de nascer. E disseram-lhe eles: Em Belém de Judá, porque assim foi escrito pelos profetas. Então Herodes, chamando secretamente os Magos, inquiriu deles, com todo o cuidado, sobre o tempo em que lhes aparecera a Estrela. E tendo-os enviado a Belém, disse-lhes: Ide e informai-vos sobre a criança e, quando a encontrardes, comunicai-mo, para eu também ir adorá-la. Eles, tendo ouvido o rei, partiram. E eis que a Estrela que tinham visto no Oriente os precedia, até chegar e pousar sobre o lugar onde estava o Menino. Ao verem a Estrela, alegraram-se sobremodo. E ao entrar na casa, encontraram o Menino com Maria, sua Mãe. E prostrando-se, O adoraram. E abrindo seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes de ouro, incenso e mirra. E, havida resposta em sonhos que não tornassem a Herodes, voltaram por outro caminho para a sua terra.” As Escrituras ainda confirmam que os Magos eram uma casta sacerdotal sábia, existente entre Medas, Caldeus e Persas, e que os sábios ofertaram os três presentes homenageando a Divindade de Jesus (incenso), a Sua Realeza (ouro) e a Sua Humanidade, isto é, teria que nascer e morrer (mirra, um refinado perfume oriental). Como a Falange de Magos é especialmente destinada às crianças e adolescentes, a partir dos 12 anos pode ser usada sua indumentária, mas, até completarem 18 anos, só poderão ficar no Templo até às 20 horas. Nityamas e Magos formam filas magnéticas, fazem corte para os rituais, imantram o ambiente e acendem a Chama da Vida.
  CANTO DOS MAGOS
Ó, JESUS, QUEM TE FALA SOU EU, O MENOR DOS JAGUARES, TESTEMUNHA VIVA DA ESTRELA SUBLIMAÇÃO QUE ANUNCIAVA, NA MANJEDOURA, A CHEGADA DO TEU JESUS MENINO. SOU JAGUAR, SOU MAGO, QUE ORA ACENDO A CHAMA VIVA E RESPLANDESCENTE DOS QUE DESCEM DO REINO CENTRAL E PASSAM POR AQUI COMO PEQUENOS PASTORES QUE, PELA ESTRELA GUIA, CHEGARÃO A JESUS MENINO! REPRESENTO, TAMBÉM, OS TRÊS REIS MAGOS, QUANDO NAQUELA ERA DISTANTE TE OFERECERAM INCENSO, MIRRA E OURO. E EU, JESUS, PARA TE SERVIR, ACENDO A CHAMA VIVA E RESPLANDESCENTE DO PODER DA INTEGRAÇÃO PARA QUE TODOS QUE VÊM DA ESTRELA CANDENTE SEJAM ABENÇOADOS PELAS SUAS ENERGIAS, NO CLARÃO DESTE SIMBOLISMO UNIVERSAL. É A CHAMA DA VIDA E DO AMOR! QUE AS FORÇAS SE DESLOQUEM, Ó, JESUS, E EU POSSA MELHOR SERVIR! SÃO CAVALEIROS VERDES, SÃO NINFAS, SÃO TERNURAS QUE PASSAM POR AQUI, ILUMINADOS PELA ENERGIA DO SEU SOL INTERIOR, CONCENTRADA PELA SUA JORNADA, VINDA DO REINO CENTRAL. CONTINUAREI, JESUS, SEMPRE COM - O -// EM CRISTO JESUS. SALVE DEUS!
obs - tem mais cantos esta falange

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
MAYA
As Mayas têm como Primeira a Ninfa Lua Nancyara e como Adjunto de Apoio o Trino Maralto, Mestre Gilfran, tendo como prefixos Adalã e Adalã-Ra.

 CANTO DA MAYA
Ó, JESUS, ESTA É A HORA DA INDIVIDUALIDADE! VENHO TRAZER-TE ESTE MOMENTO DE LUZ QUE TENHO EM MEU CORAÇÃO, RESTOS DE UMA VIDA QUE ME FEZ VOLTAR POR NÃO SABER AMAR! CONHECI A CIÊNCIA CÓSMICA, PROMOVI A VIRGEM DO SOL, SOU TAMBÉM A ALEGRIA DA LUA! PROCURO, JESUS, ENCONTRAR O BRILHO DA JOVEM GUERREIRA: A VIRGEM DO SOL. Ó, JESUS, TUDO QUEREMOS FAZER NESTA JORNADA PARA UMA NOVA ERA! ESTAMOS, Ó, JESUS, COM - O -// EM TEU SANTO NOME, JESUS QUERIDO. SALVE DEUS!
 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 MURUAICY
Quando em Delfos, Pitya escolhia jovens, cujos maridos estavam nas guerras, para auxiliá-la em sua missão. Eram as Yuricys - Flores do Campo -, que socorriam os combatentes nas planícies macedônica e peloponense. Todavia, como não incorporavam nem profetizavam, Pitya recomendou que fossem preparadas as Muruaicys e Jaçanãs, moças fugidas do assalto de tropas mercenárias, que teriam a missão de fazer as profecias no Templo de Apolo. Assim surgiram as Missionárias Muruaicys, que, portando a Chama da Vida, ajudam no socorro e na cura da Humanidade perdida e ferida espiritualmente na malsinada batalha pela posse das coisas materiais. Trazida por Mãe Yara em outubro de 1978, a falange foi consagrada no 1º de Maio de 1979, tendo como Primeira a Ninfa Lua Risoleta (Rilza). A partir de 1982, as Muruaicys ficaram sob o comando da filha de Koatay 108, a Ninfa Lua Carmem Lúcia, e sob a Regência de seu Mestre Albuquerque, Trino Herdeiro Ypuara. As Muruaicys têm, como funções específicas, abrir e fechar os portões das Cabalas e nos rituais e Sandays, mantendo-se em honra e guarda nestes locais, e levar a força das Muruaicys do Espaço à corte das noivas, nos casamentos. Em sua capa, a Muruaicy tem a Cruz de Ansanta, símbolo egípcio da Sabedoria da Vida e da Morte, que também simboliza a abertura dos portões que dão acesso ao ambiente iniciático, a abertura dos caminhos. É sempre necessária sua presença nos Sandays e rituais como missionárias portadoras de poderosa força desobsessiva. Como descreveu Koatay 108, as falanges missionárias agem, harmoniosamente, em conjunto: as Muruaicys vão à frente, abrindo os portões magnéticos do Vale das Sombras e das cavernas, onde se encontram espíritos que, por sua força e ferocidade, se apresentam deformados pelo ódio, por sua vibração negativa, assumindo tristes formas animalizadas e até mesmo monstruosas. As Muruaicys jogam seus charmes, emitindo lindos mantras que vão iluminando aqueles espíritos e estes, como que hipnotizados, vão deixando os negros abismos e se aproximando dos portões. Junto aos portões, as Madalenas fazem uma espécie de poços de lama etérica, escura e pegajosa, nos quais mergulham, ficando irreconhecíveis, com aspecto semelhante ao daqueles espíritos sem luz. Quando os espíritos sofredores as vêem, tentam agarrá-las, supondo serem da mesma concentração que eles. É o momento em que as Cayçaras lançam suas redes magnéticas, aprisionando-os e, com a proteção dos Cavaleiros de Ypuena, os levam para serem atendidos, sob a força do Cavaleiro da Lança Vermelha, na Estrela Candente, onde recebem o choque da força magnética animal emitida pelos médiuns escaladores e a doutrina - o ectoplasma dos Doutrinadores -, sendo elevados aos planos de acordo com seus merecimentos. Segundo Carmem Lúcia, “a Cabala representa tudo em nossa Doutrina. Segundo Tia Neiva, trata-se de um leito de forças decrescentes, no qual descreve as cores básicas da fita que utilizamos para o trabalho na Lei do Auxílio. Só é possível conhecer os segredos da Cabala àquele que já ultrapassou os limites primários de si mesmo e ama incondicionalmente. O amarelo - vida, representado aqui pelos Mestres Adjuração - os Doutrinadores; Sol - ouro - Anoday. O lilás - cura, representado aqui pelos Ajanãs/Aparás. É a junção de forças dessas duas partes por uma força divina. A Cabala representa o símbolo máximo que permite acesso à vida iniciática ou ao salão iniciático. Lua - prata - anodai - sabedoria. Diz-se que depois que um discípulo passar por todas as provas, ele é conduzido ao portão de entrada. O cálice - símbolo iniciático do invólucro exterior que guarda o sangue (vinho) que se eleva, representa força vital, energia. O vinho - suco de uva - simboliza o sangue, força vital, força magnético-animal, energia, base molecular do plasma mediúnico. A chama - Chama da Vida, o prana. É a junção de tudo que dissemos acima. É a manipulação do carma que permite acesso à Luz quando encarnado - eternidade.” Os prefixos das Muruaicys são Iule e Iule-Ra.
CANTO DAS MURUAICYS
Salve Deus! Ó, Jesus, sinto nesta bendita hora a força do Jaguar, que se eleva na plenitude, abrindo o Ciclo Iniciático para uma nova era! São luzes, mestres, que se harmonizam na grandeza e no amor, emitindo a consolação aos menos esclarecidos, desenvolvendo-se e abrindo a faixa transcendental para a realização de um poder iniciático que se levanta para proporcionar ao mundo um desenvolvimento doutrinário. Neste instante, eu vejo o Sol e vejo a Lua. Lua! Mestres Lua! Lua Consagração! Ouve o canto da menor de tuas servas, teu Raio Muruaicy, que te venera e te implora o amor de quem me fez chegar até aqui! Mestre Adjunto Rama Trino Tumuchy! Mestre Adjunto Rama Trino Araken! Mestre Adjunto Rama Trino Sumanã! Mestre Adjunto Rama Trino Ajarã! Mestres Luz! Mestres Adjuntos Ramas, Raios de Simiromba, meu Pai! Mestres que governam neste plano original e iniciático! Recebei, neste instante, tudo que nos cabe, da Falange de Yemanjá! Do poder e da grandeza, Mestres Trinos, da constância e do amor, que nos conduziu até aqui, nos dando o poder desse Adjunto que a perseverança dos seus espíritos formou esta força na qualidade de Adjunto, que traduz ao mundo a paz, a tranquilidade e a esperança de um breve Terceiro Milênio. Adjunto Koatay 108! Sou eu quem te falo ...(nome)... , representante de minhas irmãs. Digo fervorosamente: Acredito em ti! Acredito em ti porque és a luz deste Amanhecer! Príncipes, Magos, Mestres Jaguares! Que as forças que vêem de Deus vos consagre e ionize! Povo abnegado de Deus! Removendo o Velho Mundo, revivendo a Velha Tribo de Esparta, Katchimoshy, dos Impérios e do Brasil Colônia. E hoje reunidos neste planalto, na força e no amor reunidos no Vale do Amanhecer, esta grandeza absoluta que se chama Adjunto Koatay 108, emitam, Mestres Adjuntos, emitam o Sol doutrinário iniciático em nossos corações. Salve Adjunto Koatay 108! Que a perseverança no espírito da Verdade encontre acesso em teus corações porque, Príncipes deste Amanhecer, não vos esqueceremos. E nesta bendita hora, venho trazer a mensagem de nossa Mãe Clarividente, que nos pede o amor, a humildade e a tolerância na abertura desta Unificação. E é na força de Olorum, que vos traz a menor de tuas servas, teu Raio Muruaicy, desta Congregação. Salve Deus, Mestres Trinos do Amanhecer! Meus respeitos, com ternura, minha Mãe Clarividente! Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Salve Deus!
(30.4.79)

osb - tem mais cantos 
 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
NARAYAMAS
A Falange Missionária de Narayamas é conduzida pela Ninfa Lua Maria de Lourdes, tendo como Adjunto de Apoio o Adjunto Págamo, Mestre Arnóbio, e se compõe de ninfas destinadas a trabalhos desobsessivos, pois suas forças são cruzadas nos Planos Espirituais, pelos grandes Oráculos de Simiromba, Olorum e Obatalá, cruzamento este que está representado no brasão de suas indumentárias, dando-lhes a característica de “mulheres de bênçãos”. Têm muito amor e se faz necessária a sua presença nos rituais e nos Sandays, para melhor resultado dos trabalhos desobsessivos. Sua criação, no plano físico, foi feita por Koatay 108. Os prefixos das Narayamas são Abela e Abela-Ra.
CANTO DAS NARAYAMAS
 SALVE DEUS, MEU MESTRE REINO CENTRAL! ESTAMOS A VOSSA MERCÊ! Ó, JESUS, CAMINHAMOS NA DIREÇÃO DA ESTRELA TESTEMUNHA, QUE NOS REGE NESTE UNIVERSO. CAMINHAMOS NA FORÇA ABSOLUTA DE DEUS PAI TODO PODEROSO. SOU ESCRAVA DO CAVALEIRO VERDE ESPECIAL! CONFIANTE NOS PODERES DIVINOS, EMITO O MEU PRIMEIRO PASSO PARA QUE O PODER DE NOSSAS HERANÇAS TRANSCENDENTAIS NOS CHEGUEM PARA A CONTINUAÇÃO DESTA JORNADA. E COM A LICENÇA DE VOSSA MERCÊ, PARTIREI SEMPRE COM - O -// EM CRISTO JESUS. SALVE DEUS!
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
NIATRA
As Niatras têm função específica na Estrela Sublimação, quando na condução do Santo Nono – as Esmênias e seus mestres – para os esquifes. A Primeira Niatra é a Ninfa Lua Jorgelina (Jojô), tendo como Adjunto de Apoio o Adjunto Trino Muray, Mestre Ademar, sendo os prefixos Nepia e Nepia-Ra. Segundo instrução de Koatay 108, as Niatras seriam somente ninfas do Templo-Mãe. Todavia, em reunião de março/99, os Trinos Presidentes Triada estabeleceram que a falange teria componentes dos Templos do Amanhecer.
CANTO DA NIATRA
SALVE DEUS! MEU MESTRE REINO CENTRAL, ESTAMOS A VOSSA MERCÊ. Ó, JESUS, CAMINHAMOS NA DIREÇÃO DA ESTRELA TESTEMUNHA, QUE NOS REGE NESTE UNIVERSO! CAMINHAMOS NA FORÇA ABSOLUTA DE DEUS PAI TODO PODEROSO. SOU ESCRAVA DO CAVALEIRO VERDE ESPECIAL! CONFIANTE NOS PODERES DIVINOS, EMITO O MEU PRIMEIRO PASSO PARA QUE O PODER DE NOSSAS HERANÇAS TRANSCENDENTAIS NOS CHEGUEM PARA A CONTINUAÇÃO DESTA JORNADA. E COM A LICENÇA DE VOSSA MERCÊ, PARTIREI SEMPRE COM - O -// EM CRISTO JESUS. SALVE DEUS!
 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
NITYAMAS
As Nityamas surgiram na Planície Peloponense, numa povoação de onde os homens saiam em grandes tropas mercenárias para as guerras, deixando as mulheres para cuidar das casas. As batalhas cruentas causavam enorme mortandade, e poucos voltavam, geralmente aleijados ou com graves ferimentos. Um grupo de moças se reuniu a uma pitonisa chamada Magdala, Madrinha dos Devas, que trouxera da Índia poderoso sacerdócio, com muitos conhecimentos esotéricos, tratamentos com ervas e trabalhos espirituais. Magdala fora expulsa de uma grande cidade, onde uma doença desconhecida se alastrou rapidamente, matando grande parte da população antes que os médicos locais pudessem saber do que se tratava. Magdala havia conseguido muitas curas, sem nada cobrar de seus pacientes, o que originou imensas filas diante de sua porta, gerando ódio das autoridades e médicos, que a expulsaram. Magdala deu ao grupo de moças o nome de Nityamas. Elas faziam fogueiras, invocavam espíritos, trabalhando para proteção dos homens que iam às guerras, e estes, após longa ausência, retornavam a seus lares sãos e salvos, após as batalhas. Animadas com a força de Magdala, que tinha a Voz Direta do Céu, as Nityamas trabalhavam com confiança e o espírito de guardiães que possuíam era tão sincero e sublime que alimentava suas vidas. A fama delas se espalhou e muitas princesas e fidalgas que estavam solitárias por terem seus companheiros partido para as guerras, se apresentaram para ser uma Filha de Devas, uma Nityama. Dentro da tradição cigana, dançavam ao redor de fogueiras, de onde recebiam energias, liam mãos, profetizavam, representavam peças, sempre cobrindo seus rostos com véus, que só eram retirados pelo noivo no momento do casamento. Eram temidas por toda aquela região, pois, como Filhas de Devas, tinham poderes para controlar as condições meteorológicas, invocando deuses, desencadeando tempestades. Os homens que ficavam na aldeia, inválidos ou muito jovens para participar de combates, começaram a ajudar as Nityamas, e receberam sua consagração como Magos, Filhos de Devas, após desenvolverem sua mediunidade e adquirir poderes espirituais. Como as Nityamas tinham dificuldades materiais, faziam suas roupas com pedaços de tecido colorido, razão pela qual, no Vale do Amanhecer, suas indumentárias são formadas por nesgas coloridas.
CANTO DAS NITYAMAS
Ó, JESUS, EU SOU A NITYAMA DO LENHO E DAS PAIXÕES. FIZ MIL CHAMAS, SUBI E CHEGUEI ATÉ OS DEVAS. RECEBI SUAS BENÇÃOS E ROGUEI, DE JOELHOS, PELOS MEUS AMORES. JESUS, AQUI ESTOU PARA TE ENCONTRAR! SOU EU QUEM CANTA, ABRINDO OS CAMINHOS DO MEU MESTRE JAGUAR. ESTOU A MANIPULAR AS FORÇAS COM TERNURA, ATÉ QUE MEU MESTRE, MAGO DESTE AMANHECER, QUE JUNTOS ACENDEMOS A CHAMA DA VIDA, ILUMINANDO OS CAMINHOS DOS MESTRES QUE DESCEM DO REINO CENTRAL, DE SUAS JORNADAS, E PASSAM POR AQUI, VINDOS CARREGADOS DE ENERGIAS. Ó, JESUS! Ó, MEU PAI SETA BRANCA! Ó, SIMIROMBA DE DEUS! PARTIREI SEMPRE COM - O -// EM CRISTO JESUS. SALVE DEUS!
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
PRÍNCIPES MAYA
Os Príncipes Mayas são subordinados ao Ajunto Yuricy, Mestre Edelves, na regência do Adjunto Aratuso, Mestre Valdeck, mas têm a coordenação do Primeiro Príncipe, , Mestre João Goncalves. Inicialmente criados para participarem do ritual do Casamento, onde conduzem a espada para o noivo, os Príncipes passaram a tomar parte em todos os rituais
CANTO DOS PRÍNCIPES MAYA

 Ó, JESUS, ESTA É A HORA PRECISA DE MINHA VIDA! TEU FILHO TE QUER FALAR! SOU AQUELE CAVALEIRO DAS CORDILHEIRAS QUE DESCEU PARA ENFRENTAR O MUNDO, QUE SE DESTINAVA À ESTRELA TESTEMUNHA, QUE UNIA AS TRIBOS NUM SÓ PENSAMENTO, NUMA SÓ EVOLUÇÃO. EU SOU O ESPÍRITO ESPARTANO! EU VI A LUZ DA VERDADE! PORÉM, FUI AQUELE QUE FRACASSOU!... EM VEZ DA LUZ, TRISTE, PERCORRI OS CAMINHOS... FRACASSEI POR NÃO SABER AMAR! E NESTA BENDITA HORA, JESUS, SÓ TU PODERÁS ME DAR A PAZ. QUERO GRITAR AO MUNDO INTEIRO, NO CALOR DESTA DOUTRINA: SALVE DEUS, JESUS QUERIDO! TENHO A FORÇA BENDITA DESTE AMANHECER E, PELO PAI SETA BRANCA, ESTOU AQUI. OBEDEÇO E OBEDECEREI AS LEIS QUE ME REGEM DESTE AMANHECER. SOU MAYA! PARTO COM -0-// EM TI, CRISTO JESUS. SALVE DEUS!
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ROCHANAS
 A Princesa Rochana é Ninfa Missionária da Legião de São Lázaro e suas representantes, na Terra, são as Rochanas, falange missionária que tem suas origens na Grécia Antiga, quando um rei se apaixonou por uma linda súdita e a rainha iniciou uma feroz perseguição a ela, querendo destruí-la de qualquer maneira. Com um grupo de mulheres que estavam também sendo perseguidas, a moça se refugiou em uma ilha pedregosa do mar Egeu, e ali se organizaram, escondendo-se nas grutas e vivendo da caça e pesca, vestidas simplesmente com túnicas brancas e enfeitadas com conchas, sempre preocupadas em se esconder de seus perseguidores, mas levando uma vida simples, livre e saudável. Em 1982, Tia Neiva organizou a Falange Missionária das Rochanas, sendo indicada Monique Soudant como sua Primeira e o Comandante Adjunto Valeiro, Mestre Manoel Barbosa, seu Adjunto de Apoio. A indumentária tem como predominante a cor vermelha - desobsessão - e o roxo - cura, e, embora com poucas componentes no plano físico, é muito numerosa nos planos espirituais. Koatay 108 disse que seria muito importante a presença de duas Rochanas no ritual da Estrela de Nerhu, a Estrela Sublimação. Seus prefixos são Ferpia e Ferpia-Ra.
CANTO DAS ROCHANAS
Ó, JESUS, ESTA É A HORA FELIZ DA MINHA VIDA, QUE ORA SINTO DESPERTAR EM MIM TODO ESTE AMOR! GUIA-ME, JESUS! SOU UMA ROCHANA, E VENHO DE TERRAS DISTANTES EM BUSCA DE TE ENCONTRAR! Ó, JESUS, DAI-ME FORÇAS PARA QUE EU POSSA EMITIR O MEU CANTO SILENCIOSO DA CURA DESOBSESSIVA DOS CEGOS, DOS MUDOS E INCOMPREENDIDOS. JESUS! É A HORA DA INDIVIDUALIDADE E ME FAZ, JESUS, SENTIR A TUA GRANDEZA, EM DEUS PAI TODO MISERICORDIOSO, QUE ME DEU ESTA RICA OPORTUNIDADE DE REPARAR MEUS ERROS COM AMOR, QUE UM DIA ERREI POR NÃO SABER AMAR. ENSINA-ME, JESUS, A DISTRIBUIR ESTA MARAVILHA A TODOS AQUELES QUE DE MIM NECESSITAREM. DAI-ME, JESUS, O PODER DE EMANAR À LUZ DESTA DOUTRINA, TRANSFORMANDO SEMPRE PARA O BEM, ATÉ, JESUS, LEVÁ-LOS A CAMINHO DE DEUS PAI TODO PODEROSO, DEIXANDO QUE AS PÉROLAS DOS ANJOS E SANTOS ESPÍRITOS SEJAM MINHA ESPERANÇA E MINHA GUIA. SALVE DEUS!
 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
SAMARITANAS
A falange das Samaritanas traz a herança do episódio que nos relata o Evangelista João (IV, 4 a 18): “E era preciso que Jesus passasse por Samaria. Veio, pois, a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, perto da terra que Jacó deu a seu filho José. Ora, havia ali um poço, chamado a Fonte de Jacó. Fatigado, pois, do caminho, estava Jesus assim assentado na borda do poço. Era isto quase à hora sexta. Vindo uma mulher de Samaria tirar água, disse-lhe Jesus: Dá-me de beber. A samaritana lhe disse: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber, a mim, que sou mulher samaritana? Pois que os judeus não têm relações com os samaritanos. Respondeu-lhe Jesus: Se conhecesses o dom de Deus, e quem é o que te diz ‘Dá-me de beber’, talvez tu mesma lhe fizesses igual pedido e ele te daria da água viva!. Disse-lhe a mulher: Senhor, tu não tens com que tirá-la, e é fundo o poço. Onde tens, pois, esta água viva? És tu, porventura, maior do que nosso pai Jacó, de quem tivemos este poço, do qual também ele bebeu, e seus filhos, e seus rebanhos? Respondeu Jesus, e disse-lhe: Todo aquele que bebe desta água, tornará a ter sede! Mas aquele que beber da água que eu lhe der, nunca mais terá sede; e a água que eu lhe hei de dar se tornará nele uma fonte de água que correrá para a vida eterna... Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me desta água, para que eu não tenha mais sede, nem venha mais aqui tirá-la! Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido, e volta aqui. Respondeu a mulher e disse: Eu não tenho marido! Jesus lhe respondeu: Bem disseste: ‘Não tenho marido’, porque cinco maridos tiveste, e o que agora tens não é teu marido. Nisto disseste a verdade.” Em reunião com Koatay 108, em 24.8.80, Mãe Yara se manifestou e revelou que as Samaritanas e as Nityamas, no espaço, são as Araganas que limpam os caminhos dos Cavaleiros. Enquanto os Cavaleiros vão penetrando nas cavernas e nos pântanos, com suas redes magnéticas, as Samaritanas se posicionam em determinados lugares. Quando a energia dos Cavaleiros se desgasta muito, elas lhes servem a água viva, restauradora das forças. Mãe Yara contou outra passagem: Quando Jesus estava sendo conduzido pelos soldados romanos, pediu água a um cidadão, que o atendeu. Mas o soldado veio, agrediu o cidadão e entornou a caneca com água no chão. Chegou, então, uma Samaritana, com sua ânfora, e serviu água ao Mestre, que lhe perguntou: Não tens medo do soldado romano? E ela Lhe respondeu: Não, Senhor, porque acreditamos em Ti!... As Samaritanas servem o sal, o perfume e o vinho, nos rituais e nas consagrações, com poucas exceções: no Oráculo e na Estrela de Nerhu, as Dharman Oxinto servem o vinho; e nos Julgamentos e Aramês, as Ciganas Aganaras e Taganas servem o sal e o perfume. A Primeira Samaritana é a Ninfa Lua Vera Lúcia Zelaya, filha de Tia Neiva, sendo dois os Adjuntos de Apoio: Adjunto Amuruã, Mestre Décio, e Adjunto Alássio, Mestre Moraes, e os prefixos são Izurê e Izurê-Ra.
CANTO DAS SAMARITANAS
Ó, JESUS, ESTE É O CANTO DA SAMARITANA QUE, HA DOIS MIL ANOS, SUSPIRA POR TI! JESUS, AQUI ME TENS EM MISSÃO ESPECIAL, EU E MINHAS IRMÃS, COM O MESMO ESPÍRITO DAQUELA SAMARITANA QUE, UM DIA, SERVIU A TI, GRANDE MESTRE, NA PASSAGEM DO TEU CALVÁRIO. HOJE, ESTOU AQUI, NA MINHA INDIVIDUALIDADE, LEVANDO ÀS LEGIÕES O QUE MAIS ME FOR POSSÍVEL E O QUE TANTO PRECISAMOS RECEBER. É A LUTA PARA UMA NOVA ERA! VENHO DE MUNDOS AFINS EM BUSCA DE TE SERVIR. JESUS! QUE AS FORÇAS SE DESLOQUEM EM MEU FAVOR! SERVINDO TEUS MESTRES, SERVIREI TAMBÉM A TI. Ó, MEU JESUS! ELES VÊM DO REINO CENTRAL, CONFIANTES NAS PALAVRAS QUE NAQUELA TARDE LONGÍNQUA NOS DISSESTES: “QUEM BEBER DA ÁGUA QUE EU LHES DER NÃO MAIS TERÁ SEDE ETERNAMENTE”. DISSESTE, JESUS, E TUDO SE CLAREOU NAQUELE INSTANTE. HOJE ESTOU AQUI, COM - O - EM TI, JESUS QUERIDO. SALVE DEUS!
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
TUPINAMBÁS
 As Tupinambás têm como missão atender a pacientes que demandam o Templo em busca de auxílio, providenciando alojamento e alimentação, bem como avaliando a real necessidade de cuidados médicos, no plano físico, para ajudar os pacientes. A Primeira Tupinambá é a Ninfa Lua Ione Turial, tendo como Adjunto de Apoio o Adjunto Trino Muray, Mestre Ademar, sendo seus prefixos Daçui e Daçui-Ra.










--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
YURICIS
 Quando em Delfos, Pitya escolhia jovens, cujos maridos estavam nas guerras, para auxiliá-la em sua missão. Eram as Yuricys - Flores do Campo, na linguagem indígena -, que socorriam famílias desgarradas de suas tribos e os combatentes nas planícies macedônica e peloponense. Uma delas, a Primeira Yuricy, Indígena do Espaço, enviada de outros planos, era a Mestre da Ordem das Yuricys. Todavia, como não incorporavam nem profetizavam, Pitya recomendou que fossem preparadas as Muruaicys e Jaçanãs, moças fugidas do assalto de tropas mercenárias, que teriam a missão de fazer as profecias no Templo de Apolo. Tia Neiva formou a Falange de Yuricy, sob a condução do Adjunto Yuricy, Mestre Maria Edelves Couto dos Reis, inicialmente composta somente por Ninfas Sol. Mais tarde, foi formada a falange de Ninfas Lua. Em agosto de 1998, o Adjunto Yuricy solicitou e os Trinos Triada concordaram em dotar a falange de um Adjunto de Apoio, sendo a missão confiada ao Adjunto Aratuso, Mestre Valdeck Caldas Braga. Os prefixos são Eskra, para a Sol, e Eska, para a Lua.
CANTO DAS YURICI
 SALVE DEUS! CAVALEIRO DA LANÇA REINO CENTRAL! CAVALEIRO DA LANÇA VERMELHA! CAVALEIRO DA LANÇA LILÁS! CAVALEIRO DA LANÇA RÓSEA! MEUS RESPEITOS COM TERNURA, PARA ENTRARMOS EM SINTONIA. JESUS, ESTA É A HORA PRECISA DE NOSSAS VIDAS! VENHO, NESTE BENDITO MOMENTO, FORMAR O NOSSO CANTO UNIVERSAL, PARA MELHOR SERVIRMOS NESTA ERA. QUISERA, Ó, JESUS, QUE AS PÉROLAS DOS ANJOS E DOS SANTOS ESPÍRITOS SE HARMONIZASSEM NO MEU ATON. QUE AS SETE ESTRELAS DO ORIENTE, NA ESTRELA SUBLIMAÇÃO, EMITAM OS SEUS RAIOS NO CANTO DA YURICY, NO TRISTE REINO DE DELFOS. MINHA MÃO CLARIVIDENTE, RESPONDA AQUI, NESTE MANTRA, OS PODERES DE AKINATON, DE ARAKEN, DOS RAMSÉS E DE AMON-RÁ, SEUS EFLÚVIOS A BRILHAR, NA SINTONIA DESTA FORÇA ABSOLUTA QUE VEM DE DEUS PAI TODO PODEROSO! SALVE DEUS!

Sem comentários:

Enviar um comentário